Aprenda o que grandes empresas fizeram para enfrentar esta crise. Aproveite esta oportunidade de benchmark para se preparar, enquanto empreendedor, para situações críticas que porventura surgirem.

CASE AREZZO

Alexandre Birman, o CEO do grupo Arezzo, desenhou um plano emergencial com três iniciativas:

  • Home office: colocaram todos os funcionários em home office
  • Linhas de crédito: acessaram linhas de crédito de R$ 500 milhões para fortalecer o caixa
  • Transformação digital: preparou a rede para vender digitalmente.

Além do plano emergencial Alexandre Birman compartilhou uma prática do Grupo Arezzo que o ajudou a atravessar a crise: -“Meu pai (Anderson Birman, fundador e maior acionista do grupo Arezzo) nunca olhou muito para lucro líquido puro e muito menos para Ebitda.

Sempre olhamos para caixa, sempre foi historicamente o nosso grande driver. Tanto é que tem um relatório que meu pai criou no começo dos anos 1990 que é, religiosamente, gerado toda a semana.

Ele se chama ZPF. ZPF é Zerar é a Posição Financeira. É uma conta que o meu pai chama de “o balanço de padeiro”. ‘Se eu for fechar o meu negócio amanhã, o que eu tenho?

Para calcular o ZPF some o que você tem em caixa, o quanto tem a receber, o seu estoque a custo. Deste montante subtraia a contas a pagar de fornecedores e seu custo fixo por três meses.

Na Arezzo controlamos isso há 30 anos e toda semana esse valor tem de crescer. Sem dinheiro não adianta nada, o dinheiro é fundamental. 

Cash is king mais do que nunca. Entretanto, não adianta ter dinheiro e não ter cultura. A empresa tem uma cultura extremamente aguerrida. A nossa empresa é muito rápida. Então, você junta caixa, cultura, governança… Esse é o momento que as empresas que não têm governança sofrem mais”

CASE KRAFT HEINZ E INBEV

“A Anheuser-Busch InBev (ABI) sacou US$ 9 bilhões em linhas de crédito garantidas junto a seus bancos, segundo o Financial Times, e a Kraft H Heinz planeja sacar até US$ 4 bi, segundo a Bloomberg”.

“A recomendação na Kraft Heinz e Inbev é pegar todo caixa que podem. A ordem é ‘seja o primeiro a pegar, coloque o dinheiro dentro de casa e pague seis meses de juros, mesmo que não vá usar. ”

CASE LOCALIZA

Sobre a crise, a Localiza afirmou, em comunicado, que fechou o trimestre “com cerca de R$ 3,9 bilhões em caixa e tínhamos cerca de 1,9 bilhão de reais a pagar a montadoras, o que nos deixa com uma posição de caixa adequada para superar a crise”.

Todos os cases acima demonstram como grandes grupos empresariais reagiram diante da crise econômica gerada pela pandemia. Para que estas estratégias fossem possíveis, todas estas empresas analisaram seu DFC (Demonstrativo de Fluxo de Caixa) afim de compreender o melhor caminho.

O DFC é um documento crucial para gestão financeira. Compreenda abaixo o conceito e estrutura deste documento.

O QUE É DFC (DEMONSTRATIVO DE FLUXO DE CAIXA)

Geralmente chamado de DRE por Regime de Caixa ou DRE Gerencial.   Considera tudo que o que foi recebido (Receitas) e pago (Despesas) durante o período analisado. Como se fosse uma conta bancária.   Geralmente chamado de DRE por Regime de Caixa ou DRE Gerencial.   Considera tudo que o que foi recebido (Receitas) e pago (Despesas) durante o período analisado. Como se fosse uma conta bancária.  

DFC (DEMONSTRATIVO DE FLUXO DE CAIXA)

O DFC deve ser utilizado para analisar o resultado do mês atual da empresa, além de fazer projeção para os meses futuros.

Análises relevantes que devem ser feitas a partir da análise do DFC: Quanto tenho para receber e pagar este mês? Vou fechar o mês no lucro ou prejuízo? Que dia minha conta vai ficar negativa? Vou precisar fazer antecipação de cartão, que dia, quanto? Aonde estou gastando mais? Qual é meu custo fixo e variável? Estas e outras perguntas o DRE por Regime de Caixa te ajuda a responder.

Daremos um exemplo simplificado, prático, objetivo e claro, que pode ser usado gerencialmente por pequenas e médias empresas enquadradas no Simples ou Lucro Presumido.

DEMONSTRATIVO DE FLUXO DE CAIXA – dados fictícios
GRUPO MÊS  Maio 2020 % Receita PLANO DE CONTAS – DETALHAMENTO
1 Receitas   150.000,00 100,0% Tudo o que foi Recebido, que entrou no banco e no caixa. Em boleto, ted, doc, dinheiro, cheque e cartão. Se fez antecipação de recebíveis também lança aqui.
2 Impostos sobre Venda       9.000,00 6,0% Tudo o que foi pago de Imposto sobre a venda, faturamento: Simples, ICMS, PIS, Cofins, IPI, ISS, IRPJ, CSLL, etc.
3 Comissão       6.000,00 4,0% Tudo o que foi pago de Comissão e ou premisão de vendedores/gerentes sobre a venda, faturamento e ou recebimento.
4 Frete Venda / Transportadora       5.000,00 3,3% Tudo o que foi pago de Frete para entregar os produtos vendidos.
5 Mercadorias / Matérias-Primas / Embalagens / Frete Compra     60.000,00 40,0% Tudo o que foi pago de Mercadoria (produtos que a empresa revende, no caso de Comércio), pago de Matéria prima e Embalagem (no caso de indústria) e frete na compra destes produtos.
6 Margem de Contribuição (1-2-3-4-5)     70.000,00 46,7% Fórmula = (Receita – Impostos – Comissão – Frete – Mercadoria)
7 Despesas Fixas     17.000,00 11,3% Tudo o que foi pago de Aluguel, Energia, Agua, Telefone, Internet, Software, Manutenção Predial, Contador, Advogado, Despesas Comerciais, Marketing, Seguro, etc.
8 Folha / Funcionários     16.000,00 10,7% Tudo que o que pago para os Funcionários: salários, benefícios, encargos, FGTS, INSS, férias, 13º, vale transporte, alimentação, cesta básica, lanche, uniforme, epi, exames, cursos, etc.
9 Despesas Financeiras       3.000,00 2,0% Tudo o que foi pago de tarifa de boleto, tarifa de ted / doc, manutenção de conta, juros por atraso de pagamento, etc.
10 Resultado Operacional (6-7-8-9)     34.000,00 22,7% Fórmula = (Margem de Contribuição – Despesas Fixas – Folha – Despesas Financeiras)
11 Investimento / Imobilizado       3.000,00 2,0% Tudo o que foi pago de Investimento / Imobilizado, compra de patrimônio para a empresa: Imóveis, veículos, máquinas, informática, consórcio, etc.
12 Dívidas / Impostos Atrasados       5.000,00 3,3% Tudo o que foi pago de Dívidas, impostos atrasados, renegociados, etc.
13 Resultado Bruto (10-11-12)     26.000,00 17,3% Fórmula = (Resultado Operacional – Imobilizado – Dívidas)
14 Pró-labore / Distribuição de Lucros     25.000,00 16,7% Tudo o que foi pago para os sócios: Salários, retiradas, vales, benefícios, seguro de vida, plano de saúde, combustível, despesas particulares, viagens, cartão de crédito, compra de bens pessoais, etc.
15 Resultado Líquido (13-14)       1.000,00 0,7% Fórmula = (Resultado Bruto – Pró-labore)

Para enfrentar a crise ter dados e fatos para tomada de decisão é imprescindível. Caso você ainda não tenha seu Demonstrativo de Fluxo de caixa aprenda a cria-lo neste artigo.

Com relatórios em mãos, tome decisões rápidas e garanta que seu caixa esteja abastecido, afinal de contas:

FATURAMENTO É EGO, LUCRO É CONCEITO E O CAIXA É REI

Fonte: https://neofeed.com.br/blog/home/como-alexandre-birman-o-ceo-do-grupo-arezzo-subiu-na-arvore-antes-de-o-tsunami-chegar/

https://braziljournal.com/kraft-heinz-e-inbev-pegam-todo-o-caixa-que-podem

https://www.sunoresearch.com.br/noticias/localiza-rent3-lucro-r-2308-mi-1t20-alta-95/